Visitando Hong Kong
Liza Roriz 06/10/2012

Estive em Hong Kong em agosto de 2011 e posso dizer que a cidade supera expectativas. Me disseram uma vez que, se os Jetsons fossem reais, morariam em Hong Kong. Concordo plenamente! Assim que cheguei à cidade, a primeira coisa que me passou pela cabeça foi: “New York is sooo last week”. A cidade encanta e confunde.

Hong Kong pertence ou não a China?

Sim e não. Hong Kong é considerada uma Região Administrativa Especial e possui muita autonomia perante a China (exceto nas áreas da defesa e da política externa). O território, inclusive, não paga impostos ao Governo Chinês. É a fórmula de “um país, dois sistemas”.

O visto é obrigatório para viajar à China, e no processo você deve especificar quantas entradas precisa. Caso a passagem de ida seja por Beijing, por exemplo, e você deseja visitar Hong Kong (ou Macau e Taiwan) e voltar para a China Continental, deverá ter outra entrada.

Eu tirei o visto de duas entradas e de Beijing fui para Hong Kong. Chegando lá, todos passam pela imigração e ganham mais um carimbo no passaporte (brasileiros não precisam de visto para permanência de até 90 dias).

Percebe-se rapidamente a independência e a identidade britânica que a cidade possui, afinal a ilha foi desenvolvida dentro dos costumes ingleses. Isso inclui a direção no estilo “mão inglesa“, o inglês como um dos idiomas oficiais, a sinalização bilíngue e até os famosos ônibus (e bondinhos) de dois andares britânicos adaptados ao estilo local.

Ônibus e bonde de dois andares

Taxi Hong Kong

Sobre Hong Kong

Hong Kong é uma cidade que não dorme e entretenimento é o que não falta. O mais engraçado é que ela é mais clara de noite do que de dia. De noite, todos os prédios da ilha se acendem, cada um do seu jeito e com as suas cores. Isso sem falar nos holofotes e milhares de billboards iluminados espalhados pela cidade. O Bank of China e o IFC (International Financial Centre) se tornam verdadeiras atrações e você se distrai facilmente observando o desenho das luzes nos skyscrapers.

The Peak - Dia

The Peak - Noite

Billboards Hong Kong

Billboards Hong Kong

Fui em vários restaurantes legais e baladas nos topos dos arranha céus, isso porque fiquei apenas três dias na cidade. O centro é muito badalado e tudo acontece por ali, o que torna fácil emendar um jantar com um barzinho e quem sabe até uma balada. Ah, e o melhor de tudo é o preço: Hong Kong é muito barato para comer e beber! Além disso, achei as pessoas muito amigáveis. Me pareceu que, em Hong Kong, ninguém é de Hong Kong. A quase cidade-estado é cheia de turistas, estudantes de intercâmbio e profissionais fazendo negócios.

Liza e Nat - Hong Kong

Me apaixonei pela energia de Hong Kong, sem dúvida elejo a cidade como a TOP 1 de todas as que já estive. Não vejo a hora de voltar com mais tempo e conhecer melhor tudo o que há para fazer por lá. Hong Kong está definitivamente na minha lista de lugares para morar: além de ser fantástica, está estrategicamente localizada no sudeste asiático, facilitando viagens para vários paraísos que estão ali por perto, como a Tailândia, Camboja, Laos e Vietnã (wishlist).

Passeando em Hong Kong

A melhor forma de andar pelas áreas centrais da cidade é a pé. Você vai descobrindo lugares legais mesmo sem querer e economiza tempo, pois as ruas nessa parte de Hong Kong são extremamente congestionadas.

Para quem quer fazer compras, Hong Kong é o lugar. Além do benefício do tax free, algumas coisas são BEM mais baratas que no Brasil e outros lugares. Por exemplo, eu comprei o meu Iphone lá na loja da Apple e saiu mais barato do que se tivesse comprado nos Estados Unidos. Bom, o preço de tabela é quase o mesmo, porém nos States é preciso pagar também as taxes, impostos que variam entre 6 e 9% do preço do produto, dependendo de onde você está. Para quem duvida é só entrar na apple.com e apple.hk e simular uma compra online. 🙂 Fica a dica!

A cidade conta com vários shoppings enormes e todos lotados. Achei interessante que em alguns existem até escadas rolantes que pulam alguns andares para facilitar quem quer descer ou subir mais rápido. Além dos shoppings, existem vários mercados de rua, como o Temple Street Nigut Market, que vende roupas e bugigangas e o Western Market, onde além de antiguidades encontram-se tecidos e imitações.

Times Square - Hong Kong

Escada Rolante de 2 em 2 andares

Shopping Hong Kong

Algumas dicas:

  • The Peak

O The Peak é sem dúvida o principal ponto turístico da cidade, além de ser um dos melhores lugares. Trata-se de um mirante num dos pontos mais altos de Hong Kong, que também conta com um shopping, vários restaurantes e atrações como o Madame Tussauds. Você pode subir através de um bondinho ou de carro. Como o meu tempo estava curto e tinha uma fila gigantesca para o bondinho, peguei um táxi mesmo, o que não deixou de ser uma experiência, porque o lugar é tão alto que dá até um friozinho na barriga com as curvas a beira de precipícios na subida.

Cheguei lá no final da tarde, recomento muito ir nesse horário. Você vê a cidade de dia, de noite e de quebra um belo por do sol do outro lado do pico, com vista para outras três ilhas: Lantau, Lamma e Cheung Chau. Olhem a foto abaixo, nem parece que você está no mesmo lugar, né?

Vista The Peak

Liza The Peak

Liza e Nat - The Peak

  • Victoria Park: o maior parque de Hong Kong. Ótimo lugar para relaxar e fazer esportes, tem até quadra de tênis no local.
  • Picnic no Red bar, no topo do IFC Mall: um bar aconchegante a céu aberto, com uma vista maravilhosa. Para quem quer uma opção mais barata, os visitantes podem trazer os próprios comes e bebes. Ideal para passar uma tarde inteira curtindo uma preguiçinha e alguns drinks!
  • Pista de corridas Happy Valley: lá ocorrem as corridas de cavalo com apostas, um dos poucos jogos legalizados em Hong Kong e muito famoso por lá! Em cada esquina da cidade tem uma espécie de “lotérica” onde as pessoas fazem as suas apostas. Se não me engano, as corridas acontecem as quartas-feiras.
  • Mosteiro dos 10 mil budas: não tive a oportunidade de ir ao mosteiro mas me falaram muito bem de lá, então resolvi recomendar. Ele fica no alto de uma colina, após uma subida de mais de 400 degraus. O mosteiro é um dos lugares mais sagrados de Hong Kong e parece ser maravilhoso. O templo é coberto de ouro, possui milhares de imagens de Buda e a área conta também com um pagode de nove andares.
  • Launtau Peak: o pico fica na ilha Lantau e é possível alcança-lo através de uma trilha. Dizem que o melhor horário para estar lá é no nascer do Sol. Infelizmente também não tive tempo de visitá-lo mas todo mundo que vai ama!
Liza Roriz

4 Comments

  1. Adorei linda !!! parabéns pelo seu primeiro post! Ficou ótimo e com certeza vou utilizar quando eu for p/ Hong Kong !
    fica com Deus e muito sucesso !

    beij

  2. estou querendo ir para hong kong, mas nao sei falar ingles, como faço para ter um interplete lá,
    ou quais as providencias para nao ficar sem cominicaçao lá em hong kong, estou indo para feira em cantão que fica proximo a hong kong …me ajude..

    Roberto

    1. Olá Roberto, existem várias agências com foco em viagens corporativas que podem te ajudar. Você está indo sozinho? Essas agências já tem pacotes prontos para executivos que vão para feiras em Guangzhou e é bom que você já conhece algumas pessoas do ramo. Eles oferecem passeios pelas principais cidades após o trabalho, caso queira. O melhor é que eles tem guias que te acompanham durante toda a viagem e te dão várias dicas, principalmente nas feiras (geralmente são brasileiros que moram lá para trabalharem como guias). Como você deve saber, existem algumas pequenas diferenças culturais que podem até atrapalhar no negócio. Por exemplo, quando for dar o seu cartão de visita, o entregue com as duas mãos, caso contrário irá parecer que está fazendo pouco caso e eles ficam ofendidos. Tente pesquisar no google algumas agências para fazer cotações e ver os diferentes programas, sei que uma delas é a Megtur. Espero ter ajudado, abraços!

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *