Mini Guia de Manaus
Liza Roriz 25/09/2015
Praia da Lua - Manaus
Praia da Lua – Manaus

O que você sabe sobre Manaus? Já teve vontade de visitar a cidade? E o que você espera encontrar? Bom, se eu tivesse que descrevê-la em uma palavra seria “surpreendente”, e neste post eu vou contar o porquê.

Sobre Manaus

Manaus é uma cidade urbana, praiana e histórica localizada no meio da maior floresta tropical do mundo, a Amazônia! Vou explicar:

Urbana

A cidade é enorme e tem mais de dois milhões de habitantes. É muito moderna, segura, organizada, com largas avenidas e inúmeros shoppings e centros comerciais. Para quem gosta de fazer compras, ainda tem o diferencial de fazer parte da Zona Franca. Antigamente valia muito a pena comprar eletrônicos mas ouvi dizer que o preço já não é tão convidativo, hoje as melhores opções são perfumes, instrumentos musicais e destilados, e as lojas mais baratas ficam no Centro Histórico de Manaus.

A culinária regional é demais! Não deixe de experimentar os peixes Tambaqui e Pirarucu (um dos maiores peixes de água doce do mundo), foram os meus favoritos! Além deles, são típicos da região o Matrinchã, Tucunaré, Surubim, Aruanã, Jaraqui e até Piranha. Os peixes são preparados de várias formas: na brasa, fritos, empanados, grelhados, cozidos, etc. Os acompanhamentos desses pratos geralmente são o vinagrete, uarini (farinha de mandioca) e o arroz “baião de dois” (arroz com feijão e legumes). Uma delícia!

Tambaqui de Banda - Manaus
Tambaqui de Banda

Outro prato que que eu adorei é o Tacacá, uma sopa com camarões, mandioca e Jambu (folha que deixa a língua um pouco anestesiada). O Pato no Tucupi é tão gostoso quanto (tucupi é um caldo extraído da mandioca).

Se quiser experimentar algo mais exótico, alguns restaurantes servem formiga. Isso mesmo! Fui em um e pedi de entrada uma colher de formiga saúva sobre espuma de mandioquinha. O gosto é um pouco azedo com toque de erva cidreira, interessante!

Por fim, não deixe de experimentar o açaí de Manaus (que também é servido como acompanhamento de comidas salgadas) e os chips de banana pacová que são vendidos na rua, eu adorei!

Tacacá - Manaus - Banzeiro
Tacacá

Praiana

O Rio Negro passa dentro de Manaus e há lindas praias de água doce na cidade, a Ponta Negra é a de mais fácil acesso. A área foi revitalizada há alguns anos e hoje conta com calçadão, areia clara e diversas barraquinhas, um dos points da cidade. A região em volta é bem conservada e moderna, e através de alguns mirantes é possível contemplar tudo isso, além da beleza do rio e a ponte estaiada que liga Manaus a Iranduba (chamada de Rio Negro).

Ponta Negra - Manaus

Ponta Negra - Manaus

Ponta Negra - Manaus

Ponta Negra - Manaus
Ponta Negra – Manaus

Outras praias mais afastadas, para ir de barco saindo da Marina Davi (perto da praia Ponta Negra), são a Praia da Lua (10 minutos de barco) e Tupé (30 minutos de barco). São praias lindas e como estão mais afastadas, são mais vazias (na praia da Lua, caminhe um pouco e terá a praia só para você).

O banho de rio é muito agradável! Me surpreendi com a temperatura da água do Rio Negro, em torno de 28 graus, nunca tinha visto um rio de água tão morna.

Praia da Lua - Manaus

Praia da Lua - Manaus

Praia da Lua - Manaus

Praia da Lua - Manaus

Praia da Lua - Manaus
Praia da Lua

Histórica

Fundada em 1669, Manaus é dona de um rico patrimônio histórico e a visita ao Centro Histórico é imperdível. No entanto, há algumas ressalvas. Faz muito calor na cidade (não subestime o calor de Manaus), o que torna difícil caminhar entre um lugar e outro durante o dia, e algumas partes do Centro são perigosas à noite. A solução? Dia ou noite, vá de táxi entre um ponto e outro. Isso porque os lugares turísticos lindos, seguros e revitalizados parecem estar ilhados em um Centro como o de qualquer outra cidade do Brasil: cheio de carros, pessoas e camelôs durante o dia e vazios e inseguros à noite.

O meu lugar favorito foi o majestoso Teatro Amazonas. Não deixe de conferir a programação e assistir a algum espetáculo (só clicar aqui). Eu tive o privilégio de ver e ouvir a Amazônica Filarmônica, que ensaia e se apresenta no local com frequência. A entrada é gratuita para quem não se importa de ficar no 2º e 3º andar e apenas R$20,00 Inteira/R$10,00 Meia para quem preferir o 1º andar ou a Plateia. A apresentação dura em torno de uma hora. Quando acabar, não deixe de caminhar pelo Largo de São Sebastião (onde o Teatro está localizado) e conhecer a Igreja e Praça de mesmo nome e o Palácio da Justiça. Quando a fome bater, há vários barzinhos e restaurantes com mesas e cadeiras nas ruas de pedestres que cercam o Largo.

Outras atrações do Centro Histórico são a Praça da Polícia, a Praça da Saudade e o Parque Jefferson Peres.

Para quem gosta de museus, há muitos na cidade e arredores. Um dos mais famosos é o Museu do Seringal Vila Paraíso, onde você conhece a casa de um barão da época do Ciclo da Borracha, vê como o látex é extraído das seringueiras e aprende sobre processo de fabricação da borracha. É preciso pegar um barco na Marina Davi para chegar lá.

Para aprender mais sobre a Amazônia e se entreter, não deixe de visitar o INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia). No Bosque da Ciência, você faz pequenas trilhas e tem informações da fauna, flora e ecossistemas amazônicos enquanto vê vários animais como o peixe boi, jacarés e ariranhas, que são estudados lá.

Teatro Amazonas - Manaus
Largo de São Sebastião

Teatro Amazonas - Manaus

Teatro Amazonas - Largo de São Sebastião - Manaus
Teatro Amazonas de dia
Teatro Amazonas - Manaus
Teatro Amazonas à noite

Teatro Amazonas - Manaus

Teatro Amazonas - Manaus

Teatro Amazonas - Manaus

Teatro Amazonas - Manaus
Teatro Amazonas

Uma cidade no meio da maior floresta tropical do mundo

Essa é a minha parte preferida. Manaus está no coração da Floresta Amazônica e há muito o que ver e fazer. O passeio que mais gostei é o chamado “Safari Amazônico”, que dura o dia todo e é bem completo. Antes de fechar com uma agência ou guia, sempre pergunte como é e o que está incluso pois vimos que os roteiros podem ser diferentes. Nós fomos convidados para fazer o passeio pelo Guia Carioca, um figura muito gente fina que saiu do Rio de Janeiro para ser Guia da Selva Amazônica em Manaus. Nós gostamos muito e vamos contar todos os detalhes agora!

O passeio sai do Porto às 9h e volta em torno das 17h. Como são muitos barcos fazendo o mesmo percurso, não é possível todos irem ao mesmo lugar na mesma hora, até porque a maioria das paradas são em flutuantes que não aguentariam centenas de pessoas. Sendo assim, alguns barcos fazem o passeio numa ordem e outros na ordem inversa.

A maior parte do tempo é passada dentro do barco, e embora eu não me sinta bem dentro de embarcações e tenha esquecido o Dramin, deu tudo certo, bem tranquilo! 🙂 Para os que ficam mais à vontade, uma dica: algumas pessoas levam caixas térmicas com alguns petiscos e cervejas e fazem a festa na parte de trás que é aberta. Se você se contenta com água, leve apenas uma garrafinha pois lá tem um filtro de barro com água geladíssima.

No meu caso, a primeira parada foi no tão esperado Encontro das Águas. É lá que o Rio Negro encontra o Rio Solimões. Como os dois rios tem densidades, temperaturas e velocidades diferentes, eles não se misturam e correm lado a lado por mais de 6km até finalmente se unirem e formarem um único rio, o famoso Amazonas, segundo rio mais extenso e que possui a maior bacia hidrográfica e volume de água do mundo.

Fiquei impressionada com o “fenômeno”, é possível ver claramente onde termina um rio e começa o outro, devido a diferença de cores (o Salomão é marrom e o Negro é, como o próprio nome diz, negro). Havia lido na Internet alguns relatos de pessoas dizendo que não conseguiram ver o “Encontro” e algumas respostas dizendo que o motivo é que o barco não era alto o suficiente. Bom, o barco que eu estava não era alto e mesmo assim deu para ver claríssimo, então acredito que esse não é motivo. No entanto, prefira ir quando o Sol não estiver baixo.

Encontro das Águas - Rio Negro e Rio Solimões - Manaus

Encontro das Águas - Rio Negro e Rio Solimões - Manaus
Encontro das Águas – Rio Negro e Rio Solimões – Manaus

Ficamos parados apreciando a vista por alguns minutos e seguimos viagem para ver uma comunidade ribeirinha (do barco mesmo), que abriga uma igreja, escola, enfim, tudo o que uma pequena cidade tem, e tudo sobre flutuantes. Do barco, os guias contam histórias e detalhes dos lugares por onde passamos.

Comunidade Ribeirinha - Manaus
Comunidade Ribeirinha

De lá cruzamos novamente o encontro das águas para ir em uma feirinha de artesanato, também em um flutuante. Além da feira havia um deck de pesque e pague de Pirarucu. O local onde eles ficam é bem pequeno e o peixe é enorme e aparentemente muito forte, pois nenhum turista que pagou conseguiu sequer tirar ele da água.

Feira de Artesanato - Manaus
Feira de Artesanato
Pesca de Pirarucu - Manaus
Pesca de Pirarucu

Quando estávamos indo embora, uma criança local apareceu segurando uma preguiça, realmente um bichinho muito fofo. Ela deixou eu segurar e eu fiquei super feliz. Só que de repente quando fui observar, haviam várias crianças segurando várias preguiças, uma senhora segurando uma cobra, um menino segurando um pequeno jacaré, enfim, a selva inteira estava lá. Apesar de serem criaturas fofas, fiquei um pouco constrangida pois na verdade eles levam os bichinhos para tirarem fotos com os turistas para ganharem alguns trocados, mas não faço ideia de qual é a procedência e as condições de vida que esses animais levam.

Preguiça - Manaus

Preguiça - Manaus
Preguiça e seu filhote

De lá fomos almoçar em um restaurante flutuante. O almoço é buffet (pode comer à vontade) e já está incluso no passeio, você só precisa pagar as bebidas. A comida é bem gostosa, com várias opções da culinária regional, adorei!

Depois do almoço fomos até Novo Airão conhecer e quem sabe nadar com os botos cor de rosa. Como eles nadam livremente pelo Rio Negro, é preciso um pouquinho de sorte para vê-los. Passamos por um igarapé no caminho e vimos algumas vitórias régias.

Igarapé - Manaus
Igarapé
Vitória Régia - Manaus
Vitória Régia

Chegamos no flutuante e um funcionário entrou no barco para contar um pouco sobre os botos e como se comportar quando estivéssemos na água. Para atraí-los, alguns funcionários ficam dentro d’água com um peixe em uma mão e a outra batendo forte na água. Como eles já fazem isso há alguns anos, os botos sabem que isso quer dizer comida e aparecem. Porém, como era época de piracema (quando os peixes sobem o rio em direção as nascentes para se reproduzirem), havia muitos cardumes no rio e os botos não estavam aparecendo naquela tarde.

DICA: tente optar por um barco que vai primeiro até Novo Airão (pela manhã), que faça o caminho inverso do que eu fiz, pois a probabilidade de vê-los é maior, afinal, quando chegamos lá, às 15h, muitos grupos já tinham passado e vai saber quantos peixes os botos já tinham comido.

Bom, voltando a minha história, ficamos um tempo nadando e se refrescando no Rio Negro, já que não teria boto. De repente, eu chutei alguma coisa, o boto, para ser mais precisa, e fiquei animada. A agua é tão escura que não dá para ver nada que está abaixo. Meio minuto depois ele surge bem na minha frente! Por segurança, nós turistas não podemos alimentá-los, afinal são animais selvagens. No entanto, eles já estão acostumados com o ser humano e quando eles aparecem podemos acariciá-los. Daí em diante, foi uma festa de botos, eles apareciam toda hora, alguns mais acinzentados e outros rosados, um momento verdadeiramente incrível! Ficamos no total uns 20 minutos na água e foi difícil ir embora.

Nadando com o boto cor de rosa - Novo Airão / Manaus

Nadando com o boto cor de rosa - Novo Airão / Manaus

Nadando com o boto cor de rosa - Novo Airão / Manaus

Nadando com o boto cor de rosa - Novo Airão / Manaus

Nadando com o boto cor de rosa - Novo Airão / Manaus
Nadando com o boto cor de rosa – Novo Airão / Manaus

A última parada foi numa aldeia indígena na beira do Rio Negro, a Dessana Tukana. Quando chegamos, o cacique contou a origem e a história da tribo e mostrou alguns rituais e danças típicas. No fim, cada índio e índia chamou um turista do sexo oposto para dançar. Depois tivemos um tempo para conversar com eles, comprar artesanato, etc. Essa tribo vive principalmente do turismo e logo que saímos, já estavam fazendo a mesma apresentação para outro grupo que tinha acabado de chegar.

É claro que essa tribo já está parcialmente inserida na sociedade, ao contrário de outras da região, que não recebem turistas e vivem em regiões ainda mais isoladas. Percebi também que alguns deles não tinham traços de índios. Conversei com uma mulher que tinha traços de negra e ela me disse que morava no Nordeste e conheceu um índio, se casou e agora vive lá. De qualquer forma, é uma experiência bem bacana e interessante.

Tribo Dessana Tukana - Manaus

Tribo Dessana Tukana - Manaus

Tribo Dessana Tukana - Manaus

Tribo Dessana Tukana - Manaus

Tribo Dessana Tukana - Manaus
Tribo Dessana Tukana – Manaus

E aí, o que acharam desse passeio? Bem completo né? Eu recomendo muito. Aproveito para deixar o contato do Guia Carioca, para falar com ele ligue ou envie mensagem no whatsapp nos números a seguir: (92) 8164-0344 e (92) 9249-6122. Olha ele aí na foto:

Tribo Dessana Tukana - Manaus
Tribo Dessana Tukana – Manaus

Outros passeios

Cachoeiras de Presidente Figueiredo

Não tive tempo de visitar, mas quase todos os manauaras que conversei me indicaram as cachoeiras da cidade de Presidente Figueiredo, localizadas a 100 km de Manaus. São mais de 100 cachoeiras, além de grutas, corredeiras e cavernas. Para quem gosta de esportes, é possível praticar caiaque, boia cross e rafting na época da cheia. As cachoeiras em si não são tão grandes, mas te dão a sensação do que é estar no meio da selva pelo seu entorno.

Se tiver tempo, tente passar dois dias na cidade, que conta com vários hotéis, pousadas e restaurantes, além de um Centro de Atendimento ao Turista na entrada da cidade.

Alguns dos principais atrativos: cachoeira da Iracema, do Santuário, da Neblina, da Pedra Furada, Lagoa Azul, Caverna Refúgio do Maroaga e Gruta da Judéia.

Quando ir

Visitar Manaus é diferente no período da chuva (dezembro a maio) e da seca (junho a novembro) pois a diferença entre o nível dos rios pode chegar a 15 metros. O que não muda é o calor, presente na vida dos manauaras o ano inteiro, mas piorando no mês de setembro.

Seca: é quando aparecem as praias fluviais. Para quem deseja fazer turismo de selva, os passeios são feitos através de caminhadas.

Cheia: para conhecer a selva, os passeios são feitos de voadeiras pelos igarapés e igapós, canais e lagos formados pela inundação da floresta no período da cheia.

Onde ficar

Fiquei hospedada e recomendo muito o Hotel Intercity Premium Manaus, localizado em Adrianópolis, bairro nobre, moderno, cheio de edifícios novos e bem arborizado. O hotel está bem perto do maior shopping da cidade, o Manauara, e dos melhores restaurantes também. O Centro está há poucos km de distância.

Além da localização, adoramos o hotel, novo e moderno. Os quartos são grandes, espaçosos, silenciosos, confortáveis e bem decorados, além da limpeza ser impecável. Peça para ficar nos quartos de andares mais altos que oferecem uma vista incrível da cidade.

Quarto Hotel Intercity Premium Manaus

Quarto Hotel Intercity Premium Manaus

Quarto Hotel Intercity Premium Manaus
Quarto Hotel Intercity Premium Manaus
Quarto Hotel Intercity Premium Manaus
Vista do quarto Hotel Intercity Premium Manaus
Quarto Hotel Intercity Premium Manaus
Banheiro Hotel Intercity Premium Manaus

Fiquei impressionada com a simpatia dos funcionários, o que depois descobri ser característica de todos os manauaras. Eles foram super prestativos e nos ajudaram a agendar tours, taxis e deram várias dicas da cidade.

O café da manhã é sensacional e além de tudo o que um café tradicional oferece, há opções da cozinha regional, como o cará roxo. Há vários tipos de sucos e eles fazem ovos e tapiocas (doces e salgadas) a pedido, é um verdadeiro banquete!

Café da manhã - Hotel Intercity Premium Manaus

Café da manhã - Hotel Intercity Premium Manaus

Café da manhã - Hotel Intercity Premium Manaus

Café da manhã - Hotel Intercity Premium Manaus
Café da manhã – Hotel Intercity Premium Manaus

O edifício do hotel é bem alto então não deixe de visitar o último andar. Além de sauna e academia, é lá que está a piscina com vista panorâmica para a cidade. Além da vista, a temperatura da água é ótima e perfeita para descansar nos fins de tarde, na volta dos passeios, só assim para se refrescar do calor de Manaus. Clique aqui e faça a sua reserva!

Piscina e Vista - Hotel Intercity Premium Manaus
Piscina e Vista – Hotel Intercity Premium Manaus
Piscina e Vista - Hotel Intercity Premium Manaus
Piscina e Vista – Hotel Intercity Premium Manaus

Locomoção

Os preços dos táxis são tabelados para certos lugares. Quando a origem ou destino é o aeroporto, o táxi custa R$65,00. Se quiser economizar, procure o quiosque do Airport Bus Service que custa R$20,00 por pessoa. Não sei se tive sorte mas optei por ele e não havia mais ninguém no ônibus. Na volta, tente negociar com o taxista, eu por exemplo paguei R$45,00. Aliás, para ir a qualquer lugar de Manaus, sempre negocie o preço com o taxista. Aproveito para dizer que os taxistas de Manaus são de longe os mais legais do Brasil, me deram várias dicas de lugares para conhecer, pratos típicos da região, me contavam quando passávamos por algum lugar interessante no caminho, etc.

E aí, o que acharam de Manaus? Se tiverem alguma dúvida, deixe sua mensagem nos comentários! Se algum amigo manauara estiver lendo o texto e com mais dicas desse lugar, por favor compartilhe com a gente! 🙂

Liza Roriz

4 Comments

    1. Que ótimo, Liz! Tenho certeza que você vai adorar! Se precisar de alguma dica é só falar com a gente! Beijos e boa viagem!

  1. Tudo me parece tão único e especial. Manaus e a Amazônia brasileira está na minha lista de viagens, e pretendo realizar em breve. Por enquanto estou me dedicando às viagens mais próximas de carro. Fiquei impressionada com as cores dos pratos, e fiquei imaginando como seriam as frutas. Você chegou a conhecer alguma feira por lá? E claro, fiquei encantada com a natureza, os botos, a preguiça… Um belo post que com certeza será referência para uma futura e próxima viagem. Beijo!

    1. Muito obrigada, Patricia! Qualquer dúvida, pode contar com a gente! Manaus realmente é um paraíso no nosso Brasil, já descoberto pelos gringos e ainda pouco explorado pelos brasileiros! Eu passei pelo mercado do peixe, mas estava tão quente que fiquei bem pouco! Um beijo!

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *