Por que Islândia?
Liza Roriz 09/03/2015

Islandia - Iceland

Antes da minha viagem a Islândia eu pouco sabia sobre esse lugar incrível. O meu conhecimento quase nulo sobre a ilha se resumia na existência do vulcão  Eyjafjallajökull, que entrou em erupção em 2010 e foi responsável por um verdadeiro caos aéreo na Europa.

No entanto, lá fui eu em busca da Aurora Boreal. O lugar é um dos mais impressionantes e interessantes que já conheci. Apesar de ser uma pequena ilha, a Islândia abriga inúmeras montanhas, glaciais, vulcões, rios, lagos, gêiseres, fontes termais e cataratas. Ou seja, o local é perfeito para uma road trip! Em menos de duas semanas é possível dar a volta completa na ilha e ver tudo isso e muito mais!

Nesse primeiro post vou contar curiosidades que aprendi conversando com os Icelanders e espero que consiga incentivar alguém a fazer essa viagem fantástica! Vamos lá!

Curiosidades sobre a Islândia

  • Vulcão Katla

Lembram que comentei um pouco sobre o vulcão Eyjafjallajökull? O Katla é o vulcão vizinho que está a 30 km de distância. Bom, se o Eyjafjallajökull causou estragos na Europa, a expectativa é de que o Katla cause estragos no mundo inteiro. E em breve. Historicamente, o Katla costuma entrar em erupção a cada 40-80 anos. A última vez que isso aconteceu foi em 1918, ou seja, já passou da hora. Além disso, o Katla costuma ser acordado pelo menor Eyjafjallajökull e entrar em erupção até dois anos depois. Como vocês já sabem, o impronunciável acordou em 2010. O Katla é um vulcão muito maior que o Eyjafjallajökull e o desastre que ele pode causar é proporcional: estima-se que a próxima grande erupção será entre 10 e 100 vezes mais forte que a do vizinho em 2010. E o problema não é só esse.

Sobre o Katla está a quarta maior geleira da Islândia e uma das maiores do mundo, a Mýrdalsjökull. Na última erupção de 1918, grandes blocos de gelo derreteram em pouco mais de quatro horas e formaram enchentes que desceram pelas montanhas em direção ao mar em alta velocidade. É o fenômeno “Jokulhlaups” (corridas glaciares), que acontece quando há a erupção de um vulcão que está sob um glaciar. E após tudo isso, ainda existem riscos de tsunamis atingirem a costa após as enchentes descarregarem tudo no oceano.

Os islandeses, claro, já sabem disso e possuem equipes de resgate treinadas para evacuações em casos de emergência. Eles têm mapeado todos os celulares que estão em regiões de perigo e enviam SMS para avisar sobre desastres iminentes. Além disso, publicam na mídia, fecham as estradas, etc.

Os especialistas possuem muitas ferramentas para prever quando o vulcão irá entrar em erupção, como sensores embaixo da terra para medir tremores, níveis do magma, etc. Sendo assim, eles conseguem saber com antecedência o que irá acontecer para começar o trabalho de prevenção. Porém, quando eu digo antes, quero dizer poucos dias a algumas horas antes.

Confesso que fiquei um pouco preocupada quando um islandês me contou isso, pois eu aluguei um carro e percorri todo o Sul da ilha e ficava horas sem ver um carro passar. Também não vi nenhum posto policial no meio da estrada, não liguei a televisão e muito menos estava com celular, hehehe. Mas o amigo me garantiu que de alguma forma eles conseguiriam me contatar. Assim espero.

Bom, voltando ao assunto, além dessas consequências que afetariam somente a Islândia, outras afetariam todos nós. De acordo com os meus amigos, as cinzas desse vulcão não fechariam somente o espaço aéreo no país ou na Europa, mas no mundo todo. E esse vulcão já ficou em erupção por 120 dias. Imaginem ninguém voando no mundo por seis meses?

  • A Islândia é um dos países menos populosos da Europa, com 320 mil habitantes, sendo que 60% da população vive na capital Reykjavík;
  • Reykjavík é a capital mais ao norte do mundo;
  • São 130 vulcões ativos;
  • São 170 piscinas geotérmicas;
  • Por ser uma ilha, o clima na Islândia muda a cada 10 minutos e é possível ter um céu azul com Sol e calor e uma tempestade de neve no mesmo dia (sim, eu passei por isso);
  • A água islandesa é considerada uma das mais puras do mundo. Ela não passa por nenhum tratamento e é levada diretamente da natureza às torneiras;
  • É possível ter água quente em casa sem que ela passe por um sistema de aquecimento. O vapor e a água quente são bombeados para as cidades a partir de fontes geotérmicas naturais;
  • A primeira chefe de governo assumidamente homossexual a ser eleita foi a islandesa Jóhanna Sigurðardóttir, em 2009;
  • O cavalo islandês é famoso e bem diferente do que estamos acostumados. São peludos e pequenos, verdadeiros pôneis. São também muito dóceis. Achei curioso que eles ficam soltos no pasto o dia todo e é comum vê-los correndo em duplas e interagindo entre eles;
  • Fiquei em seis hotéis na Islândia e achei engraçado que não vi uma coberta de casal nas camas de casal. Eu acho que na Islândia é cada um com a sua coberta mesmo. Bom, pelo menos assim não tem briga por cobertor, né? Hehe;
  • As estradas na Islândia são mão dupla e tem muitas pontes, o engraçado é que as pontes são mais estreitas e passa somente um carro por vez. Então se você ver um carro vindo no lado oposto, tem que combinar psiquicamente quem vai passar primeiro, hehe;
  • A Islândia não tem forças armadas, inclusive, foi considerada o país mais pacífico do mundo de acordo com o Global Peace Index. Eu assisti a uma reportagem que diz que a polícia não anda armada, somente com spray de pimenta, e mesmo assim muitos policiais nunca o usaram;
  • A Islândia é o 13º país com maior IDH, sendo que em 2005 e 2006 ficou em primeiro lugar;
  • A taxa de alfabetização é a maior do mundo: 99,9%;
  • A Islândia é palco de terremotos, erupções vulcânicas, nevascas e ventos capazes de derrubar casas. Entre os principais desastres causados pela natureza, por lá só não estão os furacões;
  • Os islandeses são bastante sociáveis, aventureiros, receptivos, gentis e educados;
  • Durante o inverno, a Aurora Boreal pode ser vista em toda a ilha. No auge do verão, o Sol nunca se põe, sendo possível assistir ao “Sol da meia noite”;
  • A culinária islandesa é uma delícia. Há uma variedade enorme de peixes e também carne de carneiro. Lá também se come carne de tubarão e baleia como especiaria.

Nos próximos posts, vou contar os detalhes da natureza encantadora da Islândia que pude conhecer nos passeios que fiz. É um lugar fantástico, uma ilha quase utópica onde quase não existe pobreza, violência, desigualdade social e as pessoas vivem em harmonia junto a uma natureza que não para de se transformar.

Liza Roriz

1 Comments

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *